You are currently viewing Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

(Atualizacao em: 18 de maio de 2021)

Um importante e delicado tema ganha destaque nesta sexta-feira, 18 de maio. Hoje é o Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, data que estimula a reflexão sobre o papel da sociedade civil no combate a esse tipo de crime.

Além da conscientização, uma das formas mais eficazes de combater abusos e explorações é a denúncia, que pode ser feita por meio do Disque 100, um canal da Secretaria Nacional de Direitos Humanos (SDH) que funciona 24 horas por dia. A ligação é gratuita e a identidade do denunciante é mantida em sigilo. As denúncias recebidas são analisadas e encaminhadas aos órgãos responsáveis. Dados da SDH, mostram que em 2017 foram recebidas 22.324 denúncias de violência sexual contra crianças e adolescentes. A maior parte delas – 14,93% – foram feitas do Estado de São Paulo. 

O  Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes foi instituído em 1988, incentivado por um crime ocorrido no dia 18 de maio de 1973, quando uma menina de oito anos foi sequestrada, drogada, espancada, violentada e morta.

“Infelizmente os dados estatísticos sobre a violência sexual infantil ainda assustam no Brasil. A cada oito minutos, uma criança é vítima. A todo momento escândalos de abuso sexual infantil no esporte, no cinema, na TV, nos mostram o quanto a infância é vulnerável e necessita de proteção.  A luta continua: mobilizar a sociedade, desmistificar conceitos e tabus e educar sobre o tema estão entre os objetivos mais importantes, que são, de certa forma, perpetradores da violência”, explica Jeniffer Tavares, fundadora do Instituto Desenhando Sorrisos, iniciativa que faz parte do Projeto Legado 2018.

O Instituto Desenhando Sorrisos é uma associação de sociedade civil que atua para melhorar a vida de crianças, jovens e adultos sobreviventes de abuso sexual, oferecendo apoio e acompanhamento com psicólogos, auxílio jurídico, educação, cursos e treinamentos para as vítimas, familiares e a comunidade em geral.

Da turma Projeto Legado 2017, o CADI, organização que atua em comunidades de alta vulnerabilidade social, lançou uma campanha para incentivar a denúncia. “Quando você finge que não vê, você é cúmplice – Se você testemunhar uma situação de violência sexual contra uma criança ou adolescente, não se cale. Disque 100″.

Compartilhar nas Redes